Escritor e Jornalista

Fernando Jorge

blogger-logo-small Facebook circle blue large Mail black large

você é o visitante:

Lutero E A Igreja do Pecado

A Reforma teria surgido por causa do Diabo: eis a polêmica tese defendida pelo historiador Fernando Jorge. Desde criança, Lutero teria aprendido a crer na existência do Demônio e a sentir-se vigiado por ele. Julgava a Igreja do seu tempo como dissoluta e fiel servidora de Satã, pelo que teria se resolvido a combatê-la.

4515328656.gif 9788576791249

7ª Edição

6ª Edição

Nunca suportei Martinho Lutero (1483-1546). Não por ultramontanismo da minha parte,

mas porque sempre o vi como um charlatão epilético e oportunista, cuja “reforma”, na

verdade um mero cisma, só vingou porque um punhado de gananciosos nobres alemães

do século XVI adotou-lhe as idéias a fim de poder saquear à vontade as propriedades da

Igreja Católica em seus territórios. Afinal, um teólogo que escreve coisas do tipo “a

religião dos príncipes é a religião dos súditos” e “o príncipe já é bispo por nascimento”,

não pode ser menos que a coqueluche dos poderosos.

 

E também sanguinário: insuflou os camponeses da Suábia e depois chamou seus patrões

príncipes para massacrá-los. Foi uma espécie de Henrique VIII alemão, com uns delírios

de mais e uxoricídios de menos. Não por acaso odiavam-se os dois cismáticos, de tão

parecidos que eram, inclusive fisicamente, na energia excessiva e algo desgovernada,

bem como nos banhos de sangue que promoveram. O legado luterano representa o lado

mais negro e abjeto do fundamentalismo cristão, tendo sido a verdadeira inspiração do

nazismo e seu Holocausto.

 

Em suma, o monge renegado Lutero só foi menos criminoso que o pseudobispo Edir

Macedo porque não roubava.

 

Pois bem, o belíssimo livro Lutero e a Igreja do Pecado acrescentou uma nova dimensão à imagem que eu fazia do agostiniano, tornando-a muito mais multifacetada -- ao contrário da imagem do pseudobispo citado, que sempre teve uma só faceta, a de estelionatário. O heresiarca alemão foi ao menos um fanático sincero -- coisa que nunca se poderá dizer do sectário carioca que comprou uma emissora de TV extorquindo pobres.

 

Não é de estranhar que o monge de Wittenberg odiasse a Igreja e o papa mais que tudo no mundo, pois decerto projetava neles a imagem de seus horríveis pais, um casal de camponeses supersticiosos e violentos que o surravam por qualquer coisa quando Martinho era criança. Ele tinha problemas mentais sérios, decorrentes ou não da epilepsia, e sofria de alucinações em que via o diabo até debaixo das unhas. Hoje seria diagnosticado como paranóide esquizofrênico, fatalmente destinado a terminar seus dias como presidente dos Estados Unidos da América.

 

Essa interessante tese biográfica defende, contudo, que a principal motivação de Lutero para a fundação do protestantismo não foi o amor a Cristo, e sim o horror ao diabo. Não é novidade para ninguém que tanto os protestantes históricos quanto os neopentecostais, além de idolatrarem um livro repleto de problemas de tradução, sempre deram muito mais valor ao capiroto que a Deus. Pois ambas as atitudes, segundo Lutero e a Igreja do Pecado, teriam sua gênese no próprio bibliólatra alemão. Prova de que as instituições são sombras prolongadas de seus fundadores.

.

Interessante que o autor desse livro seja Fernando Jorge, escritor que apresenta diversas analogias com o alucinado de Wittenberg. Seu livro termina com a seguinte citação: “Ele tinha -- como devo dizer? -- algo original, incompreensível, miraculoso, tal como encontramos em todos os homens providenciais, algo aterradoramente ingênuo, simploriamente astuto, sublimemente limitado, indomitamente diabólico”. Essas palavras com que Heinrich Heine descreveu Lutero, ajustam-se na verdade como uma luva a Fernando Jorge.

.

Embora seja um dos nossos melhores biógrafos vivos, muitos se lembram dele apenas por seu impiedoso ataque ao “papa” do jornalismo brasileiro intitulado Vida e Obra do Plagiário Paulo Francis, cuja enumeração incansável dos plágios e embustes sem conta daquele fabricante de factóides estendeu-se muito além das 95 teses que Lutero pregou na igreja de Wittenberg. Não contente com isso, Jorge vilipendiou a “Igreja” dos escritores, a sacrossanta Academia Brasileira de Letras, retratando-a como uma corporação de nestóreos e pouco letrados cortejadores do Poder, em seu hilário A Academia do Fardão e da Confusão.

.

Jornalista, espinafrou o papa do jornalismo; escritor, enxovalhou a igreja das Letras: difícil ser mais luciferino que isso. Felizmente, ao invés de sangue, faz escorrer bile dos ridículos, dos apaniguados e dos soberbos. Fernando Jorge tem, definitivamente, algo de diabólico. Alguém já viu o “f” da assinatura dele? É idêntico a um tridente!

Indomitamente diabólico por Paulo Schmidt

Copyright  2013 Fernando Jorge. Todos os direitos reservados.

bras P0409-1711

 

Lançado em Novembro/2007

Setima Edição - Revista e Aumentada

Editora Novo Século

 

Esta obra será também lançada  na Itália, com a tradução da professora Rina Ricci, catedrática de língua e literatura italianas da Univerdade de São Paulo.

lutero imprensa

LUTERO E SUA REFORMA

 

Resenha escrita por Cristian Luis Hruschka

Blog Resenhas Literarias